Entrevista com Yamê Reis

Por: @mdecastrocordeiro

Yamê Reis define-se como autodidata. Uma imagem algo simplista para alguém que fez faculdade de Sociologia, trabalhou durante anos como estilista do Cantão, atuou como figurinista na Globo e em outras produções, colaborou com a curadoria dos desfiles do Fashion Rio e, como se isso tudo já não fosse muito, chegou a criar a sua própria marca.

Nos últimos 10 anos, com todas as mudanças que a Moda vem passando, Yamê viu-se sem lugar: “A Moda deixou de ser um espaço de criatividade para se tornar a indústria da cópia”, ela declara.

A Gestão, área na qual atuou por anos, passou a ser mais extenuante do que Yamê estava disposta a encarar e, aos poucos, ela começou a ter contato com a Moda Sustentável. Uma realidade que ela já sentia na pele ganhou nome: impacto ambiental, exploração do trabalho e padronização do produto. Coisas que já a incomodavam há tempos. Mas, conforme foi estudando o assunto, percebeu que precisava tomar alguma atitude.

“A gente sabia onde a roupa era feita. Eu sou de uma geração que não conhecia o fast fashion. E a nossa luta é contra esse modelo”, Yamê explica. Hoje, para fazer a sua parte em nome da indústria, ela trabalha com educação para formar novos profissionais que estão entrando no mercado e apresentá-los à realidade do jeito que se apresenta com nitidez crescente.

A partir desse desejo de anos, em 2019, surgiu o lindo projeto Rio Ethical Fashion: “Eu entendi que o Brasil precisava discutir sustentabilidade também. Nas grandes capitais do mundo já havia outros fóruns. E eu queria trazê-los para cá, com o objetivo criar esse diálogo.”

Para se aprofundar ainda mais na Moda e ajudar a buscar saídas para esta problemática, Yamê decidiu voltar para a Sociologia, “eu queria estudar e estudar a Moda de novo, como objeto”.

A ideia do evento, que terá sua segunda edição logo mais em outubro, desta vez totalmente online como todos os grandes eventos de 2020, é agregar pessoas que participam de todas as etapas da cadeia produtiva da Moda. “O processo hoje é mais importante que o resultado. Nosso objetivo é aprender a juntar a ética com a estética”, conta.

Dentre os aprendizados do REF 2019, estão a urgência do diálogo e a necessidade de haver uma plataforma comum para todos os profissionais da Moda.

E como nós indivíduos podemos fazer a nossa parte em prol de uma Moda mais justa e mais sustentável? “Faça para si mesmo(a) a pergunta do Fashion Revolution ‘quem fez minhas roupas?’ e compre do pequeno produtor. Entenda de onde vem o material e quem está produzindo.”

Acesse: https://www.rioethicalfashion.com/

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *