Referências da moda dos anos 40: Aliados e Florence

Por Rafaela Mattera

Enquanto pulávamos Carnaval, no domingo, o vencedor do Oscar de Melhor Figurino foi anunciado: Animais Fantásticos e Onde Habitam, com figurino de Collen Atwood, levou para casa a estatueta. Na categoria concorria La La Land, com sua farta cultura visual, e Jackie, com a impressionante verossimilhança com a realidade, como comentamos anteriormente. Aliados (em cartaz nos cinemas brasileiros) e Florence – Quem é essa mulher? também estavam indicados e apesar de não terem sido vitoriosos, consistem em fontes de referências interessantes para a moda dos anos 40.

Aliados possui direção de Robert Zemeckis e figurino de Joanna Johnston, dupla que já realizou uma série de projetos juntos, como os filmes Forest Gump, Uma Cilada para Roger Rabbit, Expresso Polar e De Volta para o Futuro 2 e 3. Certamente, após tantos trabalhos em conjunto, Robert e Joanna já estão em sintonia.

+ Saiba mais: Workshop Assistente de Estilo

O filme tem como pano de fundo a 2ª Guerra Mundial e começa na cidade de Casablanca, em Marrocos, no início da década de 40, e, portanto, é inevitável não lembrar do clássico com Ingrid Bergman e Humphrey Bogart, Casablanca. As referências que a figurinista Joanna Johnston buscou para o filme passam também pela personagem de Bette Davis em Now, Voyager (Estranha Passageira, em português), assim como pelo estilo de icônicas atrizes da época, como Barbara Stanwyck e Katharine Hepburn.

Como o período retratado coincide com a época de ouro de Hollywood, os figurinos são glamorosos e impecáveis, o que Joanna contou ao Hollywood Reporter: “Os 40s foram uma década glamorosa para a moda; eu acho que as pessoas intencionalmente se vestiam daquela forma durante aqueles tempos tumultuados para se manterem entusiasmadas. ”

Os protagonistas do filme são Brad Pitt e Marion Cotilard, que afirma: “ O figurino é uma das camadas da pele do personagem. ”  Os dois são espiões e seus figurinos são basicamente divididos em dois capítulos: as cenas em Marrocos, que são as mais “eletrizantes” e também são as roupas mais atraentes, uma vez que a cidade na época reunia muitos franceses e por isso as peças possuem um tom do estilo francês; e os momentos na Inglaterra, no qual passam a ter uma vida mais “caseira” – diante das atividades que faziam antes -, em meio a bombardeios nazistas sobre Londres, a história pouco a pouco ganha um tom mais comedido (surgem dúvidas sobre a real identidade da personagem de Marion), o que é refletido nas roupas.

Os figurinos foram confeccionados para o filme, mas algumas peças e acessórios vintage foram arrematados com os comerciantes do Portobello Market, em Londres, com os quais a figurista já trabalha há anos.

O primeiro momento que vemos a personagem de Marion (Marianne Beausejour no filme) é em um ângulo de costas e, por isso, seu vestido possui um belo decote nas costas, acrescentando sensualidade na medida. A cor do tecido, um azul escuro arroxeado, dialoga perfeitamente com a noite em Marrocos.

Na sequência, temos a cena do rooftop, encantadora e bem atraente, na qual Marion veste uma camisola de seda e um robe esvoaçante e estonteante feito com uma seda bem leve para criar esse efeito fluido. As peças com referência militar que ela usa para treinar são igualmente elegantes. A roupa com detalhe em faggoting usada no deserto chama atenção.

A peça mais emblemática das cenas de Marrocos é o vestido verde menta, bem escultural, no qual a figurinista também queria acrescentar fluidez e movimento ao andar; esse também precisava ser funcional, uma vez que a personagem iria correr e usar armas. Nas cenas de Londres, os tweeds e a lã prevalecem, assim como a cintura sempre marcada. Marianne está sempre com o look apropriado, independente da ocasião.

O personagem de Brad Pitt (Max Vatan no filme) veste ternos de três peças com corte impecável, assim como smokings e fardas militares. Destaque para os casacos de chuva Mackintosh e os clássicos sapatos Crockett & Jones, acrescentando um sotaque atemporal.

O trabalho da figurinista Joanna transformou peças de décadas passadas, adicionando uma pincelada de modernidade, tornando os itens extremamente para os dias de hoje.

Já o filme Florence – Quem é essa mulher? não consiste em uma ficção, mas sim uma história verdadeira sobre a figura peculiar de Florence Foster Jenkins, socialite nova iorquina que marcou a década de 40, não só pela sua ausência de talento lírico, mas também pelo seu jeito singular e extravagante de se vestir. O figurino do longa é de Consolata Boyle e a protagonista é Maryl Streep.

Florence Foster adorava ser fotografa e, portanto, Consolata não encontrou dificuldades na busca de matérias para sua pesquisa. Todos os figurinos da personagem foram feitos e por baixo deles Maryl usava um maiô com enchimento para se aproximar esteticamente da verdadeira Florence. Penas, flores, drapeados, peles, adereços de cabeça elaborados, excesso de joias e asas de anjo (usadas em uma de suas performances no palco) faziam parte da persona de Florence. Todas as suas produções eram excessivas, nunca era demais adicionar mais flores ou detalhes.

A figurinista contou ao The Telegraph, “Florence se vestia da mesma forma que ela fazia quando era mais nova, antes de todas as tragédias afetassem sua vida. Suas roupas eram como as de sua infância, então tudo era em cores bem características da infância.” A cartela de cores em tons pastéis foi um elemento muito importante para Consolata, pois ela era elemento chave para criar uma atmosfera agradável e leve para a história e todo o visual do filme.

Os figurinos de Aliados e Florence – Quem é essa mulher? consistem em bons exemplos da moda da década de 40 e, certamente, foram boas indicações na categoria do Oscar.

+ Saiba mais: Workshop Desenvolvimento de Coleção

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *