Conheça a técnica de Upcycling: devolva valor e sentido a matérias primas a partir de um novo olhar

Por Paula Laureano e Agustina Comas – Publicado em 04 de abril de 2018 

Conheça a técnica Upcycling, que agrega valor e sentido a produtos considerados como resíduos pelas indústrias. Entenda como é possível sistematizar a produção desse processo e saiba o que profissionais de design precisam ter para trabalhar com Upcycling. 

Preocupados com o impacto da indústria sobre o meio ambiente, designers do mundo todo vêm quebrando os paradigmas tradicionais de produção, se voltando à pesquisa de novas técnicas e processos para o desenvolvimento de produtos com práticas de menor impacto do que as utilizadas nos últimos séculos. Estão usando matérias-primas orgânicas, não poluentes e produtos multi-funcionais, promovendo o design sem resíduos (zero waste) ou a gestão deles.

Um dos processos de reaproveitamento e reutilização mais conhecidos talvez seja a reciclagem e o downcycling. Nestes processos, os produtos e materiais ou perdem valor ou se mantêm. Não agregam valor utilizando a matéria prima tal qual é e utilizando suas caracteristicas como recurso de design.

Diferente do Upcycling. Técnica menos conhecida, que propõe transformar materiais e produtos descartados ou deixados à margem em novos produtos, agregando valor e sentido àqueles utilizados como matéria prima. Itens desvalorizados são ressignificados, ganhando valor percebido mais elevado, em especial nos casos em que a matéria prima for constituída por roupas já prontas (usadas ou não).

upcycling agustina comas

No entanto, como agregar valor à própria matéria prima descartada sem que as práticas acabem ficando num nível de produção em pequena escala ou com características mais artesanais do que industriais? É possível sistematizar a produção de roupas a partir do processo de upcycling?

Da mesma forma como se dão os sistemas de simbiose na natureza, a grande indústria e as pequenas fábricas, trabalhariam em conjunto, alimentando-se. As pequenas fábricas, dos materiais descartados pelas indústrias.

Em outras palavras, ressignificando à categoria de matéria prima, o que para as indústrias é resíduo.

DESCONTO: PERDA DE VALOR

O fato de as peças de roupa serem cada vez mais baratas e as modas cada vez mais curtas faz com que o consumidor queira – e consiga – se desfazer facilmente de uma peça e substituí-la por outra. O resultado é um acúmulo imensurável de roupas descartadas, que, em sua maioria, têm como destino o depósito de lixo.

Em todo caso, estamos frente a materiais que perderam o sentido por perderem o valor, ou que perderam o valor por perderem o sentido. O que faz uma roupa custar R$300,00 num dia e no dia seguinte custar setenta por cento menos desse valor?

Será que lixo nada mais é do que matéria desprovida de sentido? As roupas não viraram propriamente lixo, mas elas foram desprovidas de sentido. Como resultado, temos um volume enorme de roupas que “passaram de moda” e perderam valor, igual que os alimentos perdem a validade.

Se lixo é uma ideia que se faz do objeto, então segue que é possível redimir uma parcela das coisas que tratamos como lixo pela requalificação do seu sentido. Esta questão da ressignificação é fundamental para a compreensão dos processos de desenvolvimento de produto nas abordagens projetuais do design com upcycling. O profissional precisa lançar um novo olhar – diferenciado – sobre os artefatos descartados ou descartáveis.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira o curso online do Instituto Rio Moda em parceria com a Aprende Aí: http://bit.ly/cursoonlineupcycling

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *